Consulado Grêmio Floripa

Grêmio confirma amistoso com o Santos

Chegada do Grêmio 2009

 

 

Segundo o site ClicRBS, a direção do Grêmio confirmou nesta quinta-feira a realização de um amistoso contra o time do Santos, durante a realização da Copa do Mundo da África do Sul. A partida será em Florianópolis no dia 30 de junho no Estádio da Ressacada.

Chegou a hora de mobilizarmos toda a NAÇÃO GREMISTA DE FLORIANÓPOLIS para empurrarmos o Grêmio para um segundo semestre vitorioso. Faremos alguns encontros para picar papel e reunir recursos para disponibilizar algum material para a tradicional recepção que fazemos ao Imortal Tricolor. Aguardem novidades.

O jogo do ano…

universotricolor

Bueno Gremistada da Querência espraiada e carente de títulos relevantes!!!

Óbvio que eu tinha que chegar chegando nesta volta ao espaço em que me dão voz para falar aos irmãos gremistas levemente distantes do Pampa. É assim, para quem não acompanhava antes a coluna, o papo por aqui é nessa pegada, falar PARA e falar DA Gremistada mais atarracada de fora do RS, os Gremistas EM Floripa (e é claro dos assuntos que interessam a estes).

E que momento para tal volta… mais uma daquelas, que só os de fé acreditam, que só quem leva o Grêmio no coração e o alenta no grito segue apoiando e confiando que, se tem um time que dá a volta por cima, é o nosso Grêmio Peleador! 

Como diria Fayol, coordenar é colocar o acessório depois do principal.

Cito este gurú da Administração para me remeter ao ambiente workHaholic em que hoje, dia seguinte do épico Grêmio 4×3 Santos, um gerente de uma grande equipe, de uma grande empresa, do alto de toda sua “coloradisse” (…) veio me dizer: “Bah, mas que jogo para passar em um treinamento e mostrar o poder da superação frente as dificuldades…”. Olha, e não é pouco colorado o vivente! Mas depois de ver Robinho aplaudindo a Gremistada, não seria do “monocopa” que me brotaria o espanto.

Mas voltando às sábias palavras de Fayol, acho que todo mundo concorda que para começar a montar um bom time no Grêmio, inicia-se pela cozinha: o atacante a gente vê depois. A impressão que tenho é que, dos últimos anos, a atual configuração é a que mais foge desta filosofia. Mas se isso é o que se passa na Azenha não iremos discutir, pois levantei este chapéu para encaixar em cabeça de bagre, sardinha ou sei lá que peixe são eles (não cito bacalhau pois, se tem cabeça, nunca ví).

 

Leia mais…